sexta-feira, 22 de julho de 2016

Procura-se: céu para alugar, texto de Eduarda Freitas


Encontrei este lindo texto da Eduarda Freitas, é tudo o que quero pra mim.


"Ando à procura de um pequeno céu para alugar.
Um céu sem grandes luxos, uma coisa simples, não muito grande, onde caiba uma pessoa nem gorda nem magra: eu.
Um céu com vistas para cima, mais para cima, para cima de cima.
Não tenho preferência pela cor. Pode ser um céu pintado de azul mas também pode ser pintado de cor-de-laranja-fim-de-tarde ou de preto-cor-de- boas-noites ou quase-branco- de-nuvens-aos-molhos.
Um céu sem divisões obrigatórias, qualquer coisa como um open space, com espaço suficiente para me esticar ao sol.
Gostava também que tivesse um pequeno jardim, ou uma varanda, para plantar estrelas. Dizem que as estrelas no céu são boas de cultivar e dão luz em pouco tempo.
Percebo pouco de céu-cultura, mas para isso é que servem os livros com ensinamentos e como penso seriamente em dedicar-me a esse tipo de ofício, tenho andado a ler diversos textos de cultivadores de palavras que explicam direitinho a altura do coração em que as estrelas dão mais luz.
Espero aprender alguma coisa nos próximos tempos, aprender de verdade, porque pelos vistos é preciso muita dedicação.
O céu que ando à procura para alugar, não precisa ter aquecimento central. Muito menos global. Quero um céu que seja bem local. Fácil de localizar até na palma da mão. Para receber o mundo sem sair do céu. Estico a toalha e faço de todos os dias fins de tarde. Para que seja sempre cedo e tenha sempre tempo para o tempo.
Que até pode chover que eu não me importo. Sou uma Maria vai com o vento.
A minha única exigência é que os vizinhos dos céus ao lado ou acima, não reclamem se alguma clave de sol lhes for tocar à porta, ou algum balão de risos subir tão alto que bata no tecto do meu céu que pode muito bem ser o chão deles. Temos que ser uns para os outros.
Eu – inicialmente - até pensei em comprar um céu pequeno, um céu que depois ficasse mesmo para mim. Mas hoje em dia um céu comprado fica muito caro. E depois há os bancos que pedem este mundo e o outro por um simples pedaço de céu e esquecemos a vida toda a paga-lo.
Eu pensei pouco e decidi que preferia alugar. Até porque se me fartar do meu espaço, alugo outro céu. É só juntar as estrelas e virar a lua ao contrário. Não há compromissos com bancos.
Só com bancos de ar. Que fazem tremer a barriga.
Tenho andado numa agitação: já fui a várias imobiliárias e até procurei na internet, mas só me aparecem céus-de-faz-de-conta.
Desses conto eu vários.
Se por acaso alguém souber de um céu – que até pode ser usado – para alugar, diga-me por favor.
A minha morada (para já) é:
Rua na Terra, 100 número."

domingo, 6 de março de 2016

Eu falo das casas e dos homens,


Eu tenho uma forte ligação com a casa na qual moro. 

Ela passa a ter a "minha cara" e eu me torno ela. Amo ficar em casa, amo mesmo.

Aprendi com minha Mãe as primeiras lições de como cuidar da casa, como limpar, como decorar, como ter as contas pagas.

Sonhei minha primeira casa quando tinha 18 anos. Desenhei as janelas, uma escada, sempre quis um quarto no alto, mais perto das estrelas, do céu (logo eu que hoje sofro pra subir escadas) e flores no jardim. Ficou só no papel, só na imaginação.

Minha casa só tive muitos anos mais tarde. Nela não havia escada para um andar superior, apenas degraus entre os cômodos. 

Eu pintei uma faixa com letras coloridas no quarto das crianças e uma com arabescos na sala. Era meu modo de colorir a vida, pois dias negros me rondavam a alma.

Passaram-se os dias ruins e também passei a casa adiante, saímos dela pra sempre

Sentimos saudades de histórias vividas lá, de alguns vizinhos, de esperanças jamais concretizadas, do tempo em que acreditei em algumas pessoas e num amor.

Hoje moramos onde os pássaros cantam ao amanhecer, temos um pé de acerola que lhes serve de ninho, abrigo e os alimenta. Nonna Maria, a vizinha, me fala: "Esses passarinhos comem muitas acerolas" e eu respondo "Não se preocupe, tem frutas o bastante pra eles e pra nós". Como eu poderia gostar do canto deles e nem comida lhes dar? O ar aqui é mais gelado, estamos mais perto da Serra do Mar. Perto da área rural de Joinville. Menos asfalto e mais verde. Que bom!



Quem adentra nesta casa logo percebe que ela é única. Tem flores de papel coladas em torno das portas, tem coleção de bules pegando pó em cima dos armários, tem paredinha de tijolos que eu e Vini adicionamos pra alargar a cozinha, tem prateleiras abertas que abrigam diversas coleções e muitas quinquilharias, às vezes retratos, às vezes louças.

Não é casa repetida, os móveis que temos aqui mais ninguém tem. São únicos, foram recolhidos ou comprados em brechós , vindos de várias cidades do Brasil, aqui aportam e tomam acento, aqui moram junto com a gente. Vão pegando o nosso jeito, vão transformando esta casa em lar.

Por isso me causa estranheza e muita tristesa lembrar das pessoas da cidade de Mariana de Minas Gerais e daquele espaço todinho tomado pela lama.

Tantas pessoinhas com suas histórias interrompidas: sem suas cozinhas onde passavam o café e coziam seus feijões. Sem os quartos que lhes abrigava o sono, os sonhos e os amores. Sem suas salas pra receber amigos, contar causos, ralhar com meninos arteiros. Sem seus quintais de roseiras, laranjeiras e as malditas ervas-daninhas. Sem as varandas dos primeiros beijos roubados, corados ou doados. Sem suas roupas domingueiras, sem a cadeira de balanço ou o banco, mesmo manco. Sem suas fotografias (chorei quando li sobre a moça que estava triste por ter perdido a única foto de sua mãe já falecida).  Sem porto, sem referência, sem endereço.

Perderam tudo. 

Ah, mas estão vivos, há quem diga. 
Sim. Estão vivos, que bom!!! Na vida tudo se reconstrói, tudo o que é bem material aos poucos a gente recupera. 

Mesmo assim é muito triste saber que essas pessoas estão ainda ao léu. 
Ainda não começaram a reescrever e a chamar de seu cantinho um pedaço desse mundão.

Encontrei na internet o poema "Eu falo das casas e dos homens" do poeta português Adolfo Vítor Casais Monteiro, escrito sobre os horrores da guerra, mas que serve pra sofrida gente de Mariana.


"Eu falo das casas e dos homens, 
dos vivos e dos mortos: 
do que passa e não volta nunca mais... 
Não me venham dizer que estava materialmente 
previsto, 
ah, não me venham com teorias! 
Eu vejo a desolação e a fome, 
as angústias sem nome, 
os pavores marcados para sempre nas faces trágicas 
das vítimas. 
E sei que vejo, sei que imagino apenas uma ínfima, 
uma insignificante parcela da tragédia. 
Eu, se visse, não acreditava. 
Se visse, dava em louco ou profeta, 
dava em chefe de bandidos, em salteador de estrada, 
- mas não acreditava! 
Olho os homens, as casas e os bichos. 
Olho num pasmo sem limites, 
e fico sem palavras, 
na dor de serem homens que fizeram tudo isto: 
esta pasta ensanguentada a que reduziram a terra inteira, 
esta lama de sangue e alma, 
de coisa a ser, 
e pergunto numa angústia se ainda haverá alguma esperança, 
se o ódio sequer servirá para alguma coisa... 
Deixai-me chorar - e chorai! 
As lágrimas lavarão ao menos a vergonha de estarmos vivos, 
de termos sancionado com o nosso silêncio o crime feito instituição
e enquanto chorarmos talvez julguemos nosso o drama, 
por momentos será nosso um pouco do sofrimento alheio, 
por um segundo seremos os mortos e os torturados, 
os aleijados para toda a vida, os loucos e os encarcerados, 
seremos a terra podre de tanto cadáver, 
seremos o sangue das árvores, 
o ventre doloroso das casas saqueadas, 
- sim, por um momento seremos a dor de tudo isto... 
Eu não sei porque me caem as lágrimas, 
porque tremo e que arrepio corre dentro de mim, 
eu que não tenho parentes nem amigos na guerra, 
eu que sou estrangeiro diante de tudo isto, 
eu que estou na minha casa sossegada, 
eu que não tenho guerra à porta, 
- eu porque tremo e soluço? 
Quem chora em mim, dizei - quem chora em nós? 
Tudo aqui vai como um rio farto de conhecer os seus meandros: 
as ruas são ruas com gente e automóveis, 
não há sereias a gritar pavores irreprimíveis, 
e a miséria é a mesma miséria que já havia... 
E se tudo é igual aos dias antigos, 
apesar da Europa à nossa volta, exangue e mártir, 
eu pergunto se não estaremos a sonhar que somos gente, 
sem irmãos nem consciência, aqui enterrados vivos, 
sem nada senão lágrimas que vêm tarde, e uma noite à volta, 
uma noite em que nunca chega o alvor da madrugada..."


Foto 1: Nossa casa no Jarivatuba 
Foto 2: Nossa casa em Pirabeiraba
Foto 3: Cidade de Mariana, via internet

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Recolher, juntar e mudar

Não gosto da constância dentro de casa, quero dizer, mudamos os móveis de lugar de vez em quando. O que é da sala muda pro quarto e de um quarto vai pra outro até que algo acabe indo pra sala. 
Pra mim é uma forma de expressar a criatividade, sair da rotina e se renovar.
Talvez a explicação esteja no fato de eu já ter mudado de casa 18 vezes. 







Aos fundos se vê a reforma feita na casa, quando acrescentei varanda,  sala e mais um quarto 





A última mudança foram apenas 3 quadras de distância, da casa da Rua Arno Krelling pra esta, daí carregamos quase tudo numa carretinha que foi emprestada pela Marli, a nova vizinha. 








Usamos uma carretinha parecida com esta (foto via internet)







Foi cansativo, mas também muito divertido, pois na época, mês de novembro de 2003, as crianças colaboravam sem resmungar, ainda não estavam na "aborrescência" e na hora dos móveis e utensílios pesados eu pude contar com a ajuda de meu mano e de um amigo dele.
Já passei por todos os quartos dessa casa, agora falo que só me mudo quando for pra uma casa nova (melhor não anotar isto na parede, posso acabar mudando de ideia e daí a promessa vai por água abaixo, hehe...)








Meus quarto era assim em 2014, gosto muito da cor azul e ela vai continuar na parede. Gosto muito de guirlandas na parede, esta de mini rosas vai ser reciclada.







Estou há dias visitando o Pinterest. Montei 2 pastas com muitas sugestões lindas. 
Meu quarto é azul com móveis brancos e azuis, estou pensando em colocar alguns detalhes na cor rosa pra suavisar e também pra quebrar a monotonia dos tons frios. Se não ficar legal é so trocar tudo novamente
Estou recolhendo objetos pra juntar ao relógio da Tok Stok  que comprei num brechó do Mercado Livre, serão colocados na estante vinda do quarto do Viní pro meu.
Depois das mudanças em meu quarto, vou alterar umas coisas na cozinha também e possívelmente no jardim, sabem como é, uma coisa puxa a outra... 





 Nossa casa em 2013, depois de ser acrescentada mais uma varanda, o muro e a brita na entrada.

Fotos do arquivo pessoal, menos a da carretinha.


domingo, 31 de janeiro de 2016

Mais que esperança, uma certeza





















"Dentro dessa pequena semente, vive as 


raízes, 


galhos, cascas, tronco, folhas, ramos e frutos 


daquela árvore. 


Você não pode ver, sentir, 


ouvir, provar ou cheirar nada disso ainda; no 


entanto, é tudo dentro daquela semente. 


No momento em que a semente está na sua 


mão tudo isso está na sua mão, 


também, a partir 


da raiz, para a casca, a fruta! 


Tudo que você tem a fazer é empurrar a 


semente no solo. 


E o que faz alguém plantar qualquer semente 


de frutas? 


É a crença de que na semente, 


existe a árvore. 


Então, acredite: ter 


uma semente, é ter tudo. -C. JoyBell C.























Fotos de Vinícius Poffo

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Com "corte e alma" faço minhas bonecas

Eu olho para os tecidos, lãs, linhas, fitas e um montão de outros materiais (novos ou usados) e vejo muito mais que só um amontoado de quinquilharias, pra mim já tem uma boneca ou um bichinho ali. 

Vou cortando, vou juntando, costurando e vai surgindo o que já "vivia" e só precisava de um empurrãozinho meu pra brilhar.

Sei de histórias lindas dos meus bonecos. Sorrisos que despertaram. Abraços que despertaram.
A Pretinha foi a primeira boneca de uma mulher já adulta, já mãe e avó. Primeira boneca, quanta honra e quanta alegria.
Uma família de coelhos foi surpreender a cliente que pediu um casal e ficou maravilhada ao ver os filhotinhos junto. Era pra mostrar minha gratidão, ela havia me dado roupas velhas pra usar no artesanato e eu amei. gratidão faz disso: cresce dentro da gente e a gente aumenta a quantidade de bonecos, hehe. Cá entre nós, que bom que ela gostou!
E por aí vai. 

Eu não sei vender o que faço. Sei fazer e pronto. Conto sempre com a ajuda da minha mana Ieda e de amigos que divulgam meus trabalhos, que oferecem, que mostram e vendem pra mim. 

Tem boneco que já nasce sabendo onde vão morar, outros parecem dar aquela piscadinha e pornto, a pessoa se apaixona e não consegue viver sem. Leva  pra casa e dá um lar pra criaturinha e de certo que vivem felizes pra sempre, pois nunca ninguém veio me devolver algum.

Mais uma coisa a dizer dos meus bonecos, eles unem as pessoas. Meus ex-coordenador Ademar que notou isso: sempre que eu estava fazendo algo pra ser vendido e o dinheiro revertido em sapatilhas pras alunas carentes, quem estivesse perto de mim, aos poucos, começa a ajudar, franzindo tecidinhos, enrolando lã pros cabelinhos ou fazendo laços e era sempre em meio a boas conversas e risos. Numa das fotos está minha amiga Márcia, mãe de uma das alunas de uma escola onde trabalhei.